Lugares & Paladares

O Paraíso na Terra - parte 1

Por Alexandre Massoti – 26/Aug/2015



Mais uma vez escrevo esta humilde coluna a você, meu ávido leitor, à bordo de um avião. Tem algumas vantagens de fazer assim ao invés de no conforto de meu lar. Primeiro porque me distrai. Como eu já comentei anteriormente, não tenho nenhuma vocação para pardal, então voar é uma coisa que não me deixa à vontade, usando um belo de um eufemismo. Segundo porque aqui, neste voo, não tem internet, então eu dependo muito mais de minha, às vezes raquítica memória, o que eu considero um desafio bem interessante. É um jeito de desmamar dessa dependência do Google e outras ferramentas da rede. E por último, consequência do segundo, o texto sai menos objetivo e informativo e fica mais emotivo e descritivo, o que eu também gosto bastante.

Mas chega de falar de mim, quero contar como foi passar três noites em um dos melhores hotéis que fiquei até hoje.

Quando alguém me pergunta se "o hotel é bom", na minha resposta já vem automaticamente analisadas duas coisas: o preço que se paga e o que se tem em troca. Paguei um valor pelo Carmel Charme Resort, na praia de Aquiraz, a 40 quilômetros de Fortaleza e o que eu tive em troca foi MUITO mais que eu esperava. Não é um valor baixo, eu estava com as expectativas altas, e eles superaram de maneira “espeluznante”!

Ao chegar no aeroporto de Fortaleza, sem reparar que mais da metade das obras para a Copa do Brasil estavam em completo abandono, há duas maneiras de chegar ao hotel. Com traslado próprio dele ou táxi. O primeiro custa 250 reais a ida e o táxi custa 100. Escolhi a segunda, sabendo que isso implicaria em menos comodidade, como ar condicionado quebrado.

Chegando no hotel, o deslumbre começa. A recepção e muitas outras áreas comuns do hotel são todas decoradas com peças de artesanato locais, poltronas enormes assinadas por nomes famosos, uma decoração rústico-chique impecável. Na recepção o funcionário não tinha como ser mais atencioso, e em questão de minutos nos foi oferecido água de coco (parecia que jogaram mel na bendita, de tão doce) e frutas picadas e resfriadas para beliscar.

Antes de qualquer outra coisa, quero relatar com muitos detalhes o café da manhã. Mais uma vez, uma das melhores experiências que tive nos últimos tempos. Num salão todo envidraçado e suspenso, de frente para uma praia lindíssima e deserta, cadeiras e mesas milimetricamente posicionadas, garçons e cozinheiras mostrando todos os dentes em largos sorrisos. Comecem a escolher: mais de oito tipos de geleias, mais de 20 tipos de pães. A tapioca parecia um manto de rendas cearenses de tão leve e delicada. O bolinho de milho enchia sua boca de recheio cremoso a cada mordida. O café parecia colhido na hora e o parfait de iogurte era de uma textura de seda. A omelete era tão grande que dava vontade de levar pro quarto e o waffle ficaria bem em qualquer padaria de Bruxelas. Ainda teve a canjica, o bolo de cenoura com chocolate, pães de queijo, sucos de graviola e cajá e pra coroar, taças de VEUVE CLIQUOT para brindar o inicio de um dia sensacional.

Na próxima semana eu finalizo a descrição desse palácio nas dunas!

Dica da Semana:
Sorveteria 50 sabores
site: www.50sabores.com.br [1]
porque: quem tiver uma esposa ou marido ALUCINADOS por sorvete vai entender.
detalhe: não contei exatamente, mas são MUITOS sabores, o de tapioca é de outro mundo!